Saída da Ford: Especialistas falam dos impactos na economia da Bahia

 

 

O anúncio realizado pela Ford na última segunda-feira (11), sobre o fim da produção de veículos no Brasil, surpreendeu especialistas e setores da economia. Na Bahia, a fábrica localizada em Camaçari, região Metropolitana de Salvador (RMS), deixará de operar tal qual a de Taubaté (SP). Já a fábrica da Troller, em Horizonte (CE), encerrará suas atividades no último trimestre de 2021. Várias instituições e pessoas públicas lamentaram o anúncio e temem os impactos negativos na economia com o fim das atividades da Ford no estado. A decisão da empresa afeta diretamente o Produto Interno Bruto (PIB) do município e deve gerar demissões em massa.

Para o superintendente do Sistema Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB), Vladson Menezes, o impacto da saída da planta da Ford em Camaçari é significativo e representa uma perda para o estado. “A Ford, junto com as fornecedoras que estão dentro da planta de Camaçari, representa 5,4% do valor da transformação industrial na Bahia e 4,1% do pessoal ocupado nessa indústria”. A massa salarial produzida pela empresa é por volta de R$550 mi ao mês sem impacto tributário. A receita líquida da Ford em 2019 foi de R$ 12,4 bi. “Isso tudo vai ter um impacto muito grande. Envolve alguns segmentos da petroquímica, a produção de pneus e outros produtores de insumos. Fora da indústria, isso envolve atividades portuárias e logística em geral”, ressalta.

Menezes comenta que o impacto para os profissionais de engenharia será reduzido, já que a Ford manterá o Centro de Desenvolvimento de Produtos (CDP), que atua parcialmente no Senai Cimatec Park, em Camaçari. “A perspectiva é que pelo menos 600 engenheiros tenham os seus empregos mantidos para atuarem neste centro. O restante vai perder o emprego, mas é preciso ver uma alternativa para isto. O Governo e a FIEB já estão vendo trabalhar a possibilidade de atração de outro empreendimento, de preferência automotivo, para o mesmo local”. O superintendente comenta que os fatores da saída da Ford são de responsabilidade da própria empresa. “A Ford vem perdendo espaço no mercado brasileiro desde 2014. Sai da quarta maior produtora e hoje disputa a quinta posição. Contudo, mesmo com essa situação, ela está investindo na Argentina e no Uruguai, que apresentam uma melhor variação do câmbio do que o Brasil”, conclui.

O economista Armando Avena comenta sobre o impacto no PIB gerado pela empresa. “A Ford está saindo por problemas internos dela, não é culpa da Bahia, mas o impacto será muito grande. A produção de veículos representa 5% do PIB industrial, se acrescentarmos as sistemistas, produtoras de pneus, entre outras, chegaremos a 10% deste PIB, pelo menos. Não há perda de ICMS, já que a empresa tinha isenção. O maior impacto será em relação ao ISS do município, que a Prefeitura de Camaçari estima perda em R$ 150 mi. A geração de emprego será afetada, pelo menos 6 mil trabalhadores serão demitidos, não só da Ford, como de outras empresas. Aliás, outra empresa pode assumir o local, mas tudo vai depender das negociações do Governo do estado. A China tem se tornado uma nova potência mundial, seria bom se uma empresa chinesa se interessasse em investir na Bahia neste momento”, sugere.

Com a informação divulgada pela Ford, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Bahia, Júlio Bonfim, comenta que os trabalhadores foram pegos de surpresa com o anúncio da empresa. “Isso bateu agora em nossas costas de forma muito forte. É algo que nunca imaginaríamos, o fechamento de uma fábrica tão importante como esta. Ainda estamos tentando absorver essa porrada”. O sindicato convocou uma assembleia com os colaboradores da empresa e parlamentares estaduais, que foi realizada ontem (12), em frente à fábrica da Ford, em Camaçari. “Vamos pedir a Deus que a gente consiga construir soluções, por mais que a empresa diga que é o encerramento da produção de veículos da Ford no Brasil. É um momento de sobrevivência. Precisamos ver qual vai ser o encaminhamento e tentar evitar esse grande entrave que vai impactar em dezenas de milhares de empregos na Região Metropolitana”, enfatizou.

Funcionários da Ford também lamentam pelo encerramento das atividades da empresa. O colaborador do Setor de Operação, Heraldo Ângelo, que atuava na empresa desde 2004 e estava afastado após sofrer duas lesões no ombro, lamenta a situação e diz que a empresa não respeitou seus funcionários. “Eu fico triste, são muitos pais e mães de famílias que ficarão desempregados, por isso sempre digo que precisamos de um plano B. A empresa não tá tendo respeito, teve todas as isenções possíveis no município e tá agindo de forma arbitrária”, comenta. A coordenadora de produção, Solange Cavalcante, diz que o anúncio da Ford gerou uma grande surpresa para a categoria. “Eu queria acreditar que tudo isso fosse só um alarme falso, mas pelo visto fechou mesmo, tá tudo lacrado, ninguém entra, ninguém sai”, lamenta a funcionária.

Em nota divulgada no site da empresa, a Ford publicou que “está anunciando uma reestruturação de suas operações na região que permitirá ter um modelo de negócios ágil e sustentável no Brasil e América do Sul, apoiado em seus pontos fortes globais em SUVs, picapes e veículos comerciais”. Para a empresa, “a indústria automotiva global está passando por um processo de transformação impulsionado por novas e emergentes tecnologias em serviços conectados, eletrificação e veículos autônomos, com demandas dos consumidores e itens regulatórios remodelando o mercado”. Ainda de acordo com a Ford, “a pandemia global da Covid-19 ampliou os desafios do negócio, com persistente capacidade ociosa da indústria e redução das vendas na América do Sul, especialmente no Brasil”. A empresa disse que manterá sua sede administrativa para a América do Sul em São Paulo, o Centro de Desenvolvimento de Produto na Bahia e o Campo de Provas em Tatuí-SP, que continuarão a trabalhar no desenvolvimento de tecnologias e produtos para a região e outros mercados globais.

Em nota técnica, a Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), informou que o papel do setor automotivo é relevante na economia do estado, tanto em participação na indústria de transformação (3,5%) quanto na geração de empregos; e por importantes encadeamentos produtivos. Em relação ao PIB baiano, sua participação é de 0,3% no ano de 2019. Além da importância da montadora, conta-se também com os sistemistas (empresas que desempenham estratégias para definir as relações de fornecimento). 

Em relação ao comércio exterior, os componentes automotivos responderam por 2,1% da pauta de exportação baiana em 2020, totalizando U$163,1 milhões e U$ 367,2 milhões em 2019. De acordo com a SEI, o desempenho negativo está relacionado à redução da demanda externa causado pela pandemia, além de dificuldades econômicas enfrentadas por nosso maior mercado, o argentino, cuja pauta é predominantemente composta por este setor (65% do total). A Colômbia é o segundo maior mercado da exportação baiana. Em 2019, a indústria automotiva totalizava 8.200 empregos na Bahia, no entanto, ao longo de 2020, foram encerrados cerca de 600 empregos do setor.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tribuna da Bahia

Deixar uma Resposta

Não serão autorizados comentários com palavras de teor ofensivo, como xingamentos, palavrões e sobretudo ofensas pessoais.