Planserv e anestesistas não entram em acordo

 

Acabou sem acordo a reunião entre a Cooperativa dos Médicos Anestesiologistas da Bahia (Coopanest-BA) e o Planserv, sistema de assistência à saúde do Governo do Estado, realizada na sede do Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), no Centro Administrativo da Bahia (CAB). O objetivo foi à discussão sobre a suspensão dos serviços de anestesiologia aos beneficiários do plano, o que vem ocorrendo desde a última segunda-feira. 

O encontro ocorreu na sede do órgão foi mediado pelos promotores do Grupo de Atuação Especial de Defesa da Saúde Pública (Gesau), Rogério Queiroz e Márcio Fahel, e também contou com a presença de representantes do Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia (Sindimed), Procuradoria Geral do Estado (PGE) e da Secretaria de Administração do Estado da Bahia (SAEB). Uma nova reunião está prevista para acontecer no próximo dia 30 deste mês.

O evento deveria ter acontecido na tarde da última segunda-feira, mas não ocorreu, segundo a Cooperativa, porque um ruído de comunicação fez com que representantes do Planserv se dirigissem para um local diferente do marcado. A reunião estava prevista para suceder na sede do MP no bairro de Nazaré, mas o grupo acabou se dirigindo para a unidade do órgão no CAB, local da reunião de ontem.

ASSOCIAÇÃO

Em nota publicada ontem e assinada pelo presidente da Associação de Hospitais e Serviços de Saúde do Estado da Bahia (Ahseb), Mauro Duran Adan, a entidade esclareceu que a contratualização dos anestesistas ocorre entre o Planserv e a Cooperativa dos Médicos Anestesiologistas da Bahia (Coopanest-BA), não sendo esta especialidade médica contratualizada por meio dos prestadores de serviços credenciados ao plano de saúde.

O informe foi divulgado após a publicação, na segunda-feira, por parte da Secretaria Estadual de Comunicação (Secom), de um comunicado em que o órgão afirmou que os serviços de anestesia poderiam ser realizados pelos hospitais credenciados ao plano. 

Segundo o presidente da Ahseb, Mauro Duran Adan, os anestesiologistas possuem autonomia para negociar com o Planserv há nove anos, desde que o plano de saúde decidiu contratualizar o serviço por meio da cooperativa, que alega falta de reajuste há três anos. “Não cabe exigir que qualquer estabelecimento de saúde empreenda uma ação que está fora de sua alçada”, explicou.

Comunicado COOPANEST-BA 

Em comunicado, a COOPANEST-BA, declarou que “Não houve avanço nas negociações entre a COOPANEST-BA – Cooperativa dos Médicos Anestesiologistas da Bahia e o Planserv. Durante a reunião mediada pelo Ministério Público do Estado da Bahia, na sede da instituição no Centro Administrativo da Bahia, os representantes do Planserv não apresentaram proposta de reajustes para os honorários de procedimentos anestésicos”.

 

 

Tribuna da Bahia

Os comentários estão fechados.