Novo time: Semana de expectativa na Toca do Leão

 

O Vitória perdeu o jogo para o Botafogo e posições na tabela de classificação, com 29 pontos ganhos, apenas dois a mais que o Ceará, clube que abre a zona de rebaixamento, como 17º colocado. O time rubro-negro volta a campo no próximo domingo, quando enfrenta o Internacional, no Beira-Rio, às 16h (horário de Brasília), num jogo em que o técnico Paulo Cesar Carpegiani deixou bem claro, deu a entender que pensa em modificar a equipe titular, bastante criticada pelo treinador na derrota de 4 a 3 para o time carioca, no Barradão.

“Não gostaria de especificar nome. Neílton é o nosso criador, organizador. Em função dele você forma sua equipe. Você coloca pelos lados jogadores que sejam velozes, tem que pisar na área, e o Neilton vem por trás. Não somente ele, alguns jogadores não rendem o suficiente e acaba pesando o contexto. Botafogo veio com uma proposta bem clara, que era jogar no contra-ataque na base da velocidade. Isso foi fatal para nossa equipe. Foi um contexto todo, não somente o Neilton”, disse Carpegiani, que terá toda essa semana para avaliar as modificações que pretende fazer para o jogo contra o Internacional em Porto Alegre.

A derrota por 4 a 3 para o Botafogo, no último domingo, reviveu no Vitória um fantasma que parecia ter sido exorcizado por Paulo Cézar Carpegiani. Pela quinta vez no Campeonato Brasileiro – a primeira sob o comando do treinador -, o time sofreu pelo menos quatro gols em uma partida. Antes, Grêmio, Atlético-PR, Bahia e Santos já havia causado estrago na defesa rubro-negra, que é disparada a de pior desempenho da Série A, com 46 gols sofridos. Na era Carpegiani, o time foi vazado dez vezes, o que dá uma média de 1,25 gol sofrido a cada partida. Antes do técnico chegar na Toca do Leão, a média era de dois gols sofridos por jogo.

 

 

Tribuna da Bahia

Os comentários estão fechados.