Manchas de óleo chegam à divisa da Bahia com o Espírito Santo

 

 

Pequenas manchas de óleo foram localizadas nesta quarta-feira, 6, na costa de Mucuri, 892 km de Salvador, próximo ao limite com Nova Viçosa. Os fragmentos foram recolhidos pela Defesa Civil do município e encaminhados para análise.

Mucuri é o município do litoral baiano que faz divisa com o estado do Espírito Santo. “A ocorrência do óleo nas suas praias confirma a tendência observada há mais de dois meses, das manchas seguirem avançando em direção da região Sudoeste”, disse a bióloga Rosane Souza.

Ela, que faz parte de uma equipe de voluntários que está colaborando com a limpeza das praias do extremo sul baiano, ressaltou que a preocupação não deve se restringir ao recolhimento e armazenamento do produto.

“Porque não se sabe a origem, nem a composição química. As manchas estão se espalhando e a cada dia aumentam os lugares atingidos”, afirmou, destacando que “é necessário que os governos se atentem para novos problemas de saúde que podem ocorrer no contato com a água e com a ingestão de peixes e mariscos das regiões que foram contaminadas”.

Com a confirmação da chegada do óleo em Mucuri, a Bahia contabiliza 31 municípios atingidos pela poluição que chegou no estado dia 03 de outubro. Além dos municípios, também o Parque nacional Marinho de Abrolhos foi afetado e está com visitas suspensas até o dia 14 de outubro.

Mas, apesar da confirmação por parte do Ibama, o município divulgou ontem uma nota onde nega que as manchas estejam nas suas praias. No entanto, reconhece a chegada dos fragmentos enviados para análise.

Na nota a prefeitura de Mucuri recomenda a quem encontrar o material poluente, que comunique imediatamente as autoridades. Também confirmou a criação de um grupo de acompanhamento, formado pela Defesa Civil, a Secretaria de Meio Ambiente e voluntários.

Fauna atingida – O Ibama está acompanhando a localização de animais oleados (com marcas do óleo) e até o dia 05 de novembro registrou 126 nos nove estados do Nordeste. Na Bahia foram 46 no total, sendo 19 tartarugas e 13 aves, além de outros animais marinhos.

Ainda fora desta contagem, ontem moradores de Ilhéus encontraram um peixe da espécie baiacu, morto na praia de Cururupe todo sujo de óleo. Também duas tartarugas (uma Oliva reprodutora e uma Verde juvenil) foram localizadas mortas nas praias do município, mas sem sinal aparente de óleo.

“Uma provavelmente morreu por interação com rede de arrasto e a outra pela ingestão de plásticos”, afirmou o médico veterinário voluntário do Projeto a-mar, Wellington Laudano, destacando, entretanto, que não pode afirmar se elas estavam livres da contaminação pelo óleo.

O projeto a-mar já recebeu três animais oleados desde o início da poluição com petróleo no litoral sul da Bahia. Duas aves conhecidas como bobó pequeno e uma tartaruga. Um dos pássaros morreu e os outros dois animais estão se recuperando. Nesta quarta estavam com quadro estável.

Atarde

Os comentários estão fechados.