Hospital Couto Maia tem mais de 70% de leitos pediátricos ocupados

 

 

O Hospital Couto Maia, unidade referência no tratamento de doenças infectocontagiosas no Brasil, que fica em Salvador, está com 75% dos leitos pediátricos ocupados. O dado foi atualizado nesta quinta-feira (15). As informações são da médica infectologista e diretora da unidade, Ceuci Nunes.

O Couto Maia tem 20 leitos na ala pediátrica, sendo 10 deles de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e os outros 10 de enfermaria. Ainda segundo a diretora, duas crianças estão internadas para tratamento da Covid-19.

“Ao todo, nós estamos com 15 crianças internadas e dessas, têm confirmação de Covid, duas. Oito estão aguardando exames, porque são crianças que chegaram recentemente. A pediatria também tem essa característica, que os leitos rodam muito, há alta muito rapidamente também”, disse ela.

A médica Ceuci Nunes explicou, ainda, que, para além dos casos de coronavírus, na primavera as internações de criança costumam ser maiores, por causa das síndromes respiratórias que são comuns nesse período.

“A pediatria tem uma sazonalidade de atendimentos muito marcada. Nessa época da primavera, tem um aumento no internamento de crianças com Síndrome Respiratória Aguda Grave. São vários os vírus, incluindo Covid-19, que causam essa síndrome. Então, a gente tem muitos vírus: adenovírus, vírus sincicial respiratório, rinovírus, que causam desde quadros mais leves a quadros mais graves, que às vezes se confundem com a infecção pelo Sars-Cov-2 [Covid-19]”, detalhou.

Com a incidência maior das síndromes respiratórias na primavera, é preciso ficar atento porque os sintomas são parecidos com a da Covid-19. A diretora do Hospital Couto Maia fez observações de quando os pais devem procurar as unidades médicas.

“Como a criança faz um quadro leve, a gente não pode levar toda criança que esteja resfriada, com sintomas gripais para o hospital. Mas, se essa criança tem uma febre importante, mais alta, se ela está muito mole, se ela está astênica, deitadinha e sem fazer muita coisa e, principalmente, se ela tiver alguma falta de ar, dificuldade respiratória, ela deve ser levada de imediato em uma unidade de emergência”, explicou.

Ceuci Nunes disse, ainda, que os quadros mais graves das síndromes respiratórias, que também são causados pelo coronavírus, costumam ser mais raros em crianças.

“O que tem mais grave na criança é uma Síndrome Inflamatória Aguda, que também é causada pelo Sars-Cov-2 [Covid-19]. Foram poucos casos internados lá na nossa unidade até agora. São poucos os casos no mundo, mas existe e é o que mais aflige a população, os pais, é essa forma mais grave. No geral, as crianças têm uma forma mais leve da doença e algumas delas vão desenvolver a Síndrome Respiratória Aguda Grave, que é o que tem motivado a maior parte dos nossos internamentos”.

Tribuna da Bahia

Deixar uma Resposta

Não serão autorizados comentários com palavras de teor ofensivo, como xingamentos, palavrões e sobretudo ofensas pessoais.