Gestores buscam alternativas para fechamento da Ford na Bahia

 

 

A Ford anunciou ontem o encerramento do ciclo de um século de produção de carros no Brasil. Serão fechadas as fábricas de Camaçari (BA), onde produz os modelos EcoSport e Ka, Taubaté (SP), que produz motores, e Horizonte (CE), onde são montados os jipes da marca Troller. O prefeito do município baiano, Elinaldo Araújo (Democratas), lamentou o anúncio. O gestor destacou que o encerramento das atividades da empresa representa uma grande perda para Camaçari e para a Bahia.

“Com muita tristeza, recebemos esta notícia da Ford. Infelizmente, a crise provocada pela pandemia da covid-19 trouxe consequências ruins para a área da saúde e, também, para a economia, fazendo com que pequenos e grandes negócios se tornem inviáveis. Lamento o fechamento da fábrica e me solidarizo com os trabalhadores”, disse Elinaldo.

O prefeito ressaltou que segue acompanhando de perto o caso e que irá dar apoio aos empregados da empresa. “Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para reduzir o impacto para os trabalhadores, pais e mães de família que vão perder o seu sustento”, frisou o prefeito.

Ele lembrou, ainda, que a prefeitura lançou um amplo programa para atração de investimentos para o município. “Vamos intensificar os diálogos para que novas empresas possam se instalar em Camaçari, de forma que possamos gerar cada vez mais empregos e oportunidades para o nosso povo”, afirmou.

O Governo do Estado também comentou o encerramento da produção nas plantas da Ford em Camaçari e em todo o Brasil. A gestão destaca os impactos socioeconômicos consequentes do fechamento da empresa, importante geradora de empregos e renda no estado.

“Assim que foi informado, o governador Rui Costa entrou em contato com a Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb) para discutir a formação de grupo de trabalho para avaliar possibilidades alternativas ao fechamento. O governo estadual também entrou em contato com a Embaixada Chinesa para sondar possíveis investidores com interesse em assumir o negócio na Bahia”, declarou o Palácio de Ondina.

A decisão da Ford foi informada ao governador Rui Costa durante reunião virtual com representantes da empresa.  “A Ford está presente há mais de um século na América do Sul e no Brasil e sabemos que essas são ações muito difíceis, mas necessárias, para a criação de um negócio saudável e sustentável”, afirmou, em nota, Jim Farley, presidente e CEO da Ford.

O presidente nacional do DEM, ACM Neto, afirmou que “o fechamento da Ford no Brasil é um prejuízo incalculável para a economia do país e mais do que isso: para a vida de milhares de famílias”. Ele lembrou da luta pessoal do avô, Antonio Carlos Magalhães, para que a fábrica se instalasse na Bahia, em 2001, travando uma guerra política contra adversários locais e nacionais. 

“Somente em Camaçari (BA), onde o complexo funcionava desde 2001, quando o senador ACM travou uma luta política para instalar a fábrica no estado, a montadora empregava mais de 5 mil pessoas. Notícia triste para o Brasil, para a Bahia e, principalmente, para os trabalhadores”, escreveu, nas redes sociais.

A produção será encerrada imediatamente em Camaçari e Taubaté, mantendo-se apenas a fabricação de peças por alguns meses para garantir disponibilidade dos estoques de pós-venda. Ao todo, a Ford Brasil tem 6.171 funcionários, sendo 1.652 em Taubaté, São Paulo e Tatuí; 4.059 na Bahia e 460 no Ceará, porém, nem todos devem ser demitidos, restando uma pequena parte no escritório central da companhia.  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tribuna da Bahia

Deixar uma Resposta

Não serão autorizados comentários com palavras de teor ofensivo, como xingamentos, palavrões e sobretudo ofensas pessoais.