Falha em bombas quase deixou mergulhadores presos em caverna

Fuzileiros navais e o médico que passaram a semana na caverna após o resgate

 

O resgate dos 12 meninos e do técnico de futebol que ficaram mais de duas semanas presos em uma caverna da Tailândia por pouco não terminou com outro drama. Os mergulhadores do corpo de fuzileiros navais tailandeses que ficaram recolhendo os últimos equipamentos quase não conseguiram sair.

A informação foi passada por fontes militares à rede norte-americana ABC. Segundo elas, a bomba que retirava água das primeiras câmaras da caverna e que foi decisiva para o sucesso do resgate parou de funcionar depois que o técnico e os quatro fuzileiros que tinham passado a semana com os meninos foram retirados.

Corrida contra o tempo

 

Depois que a bomba falhou, as equipes de apoio e os mergulhadores fuzileiros que estavam levando os tanques de oxigênio usados na operação da terceira para a segunda câmara da caverna notaram que as águas começaram a subir rapidamente. Todos começaram a correr para não ficarem presos, como aconteceu com os meninos no último dia 23 de junho.

Enquanto as pessoas corriam e se ajudavam para sair o mais rápido possível da caverna, dezenas de tanques de oxigênio, alguns que pertenciam aos fuzileiros, outros doados pelo rei da Tailândia, acabaram ficando para trás.

Provavelmente serão achados mais tarde, caso o local realmente se torneuma atração turística, como quer o governo.

A população tailandesa estava paralisada a espera do resgate dos 12 meninos e do técnico de futebol que estavam presos em uma caverna no norte do país. Os tailandeses fizeram vigílias, encheram as redes sociais de mensagens de esperança e usaram adereços em forma de javalis para homenagear o time que se chama “Javalis Selvagem”.

 

 

 

 

R7

Os comentários estão fechados.