Deu até pena do ovo, era novinho, diz manifestante que arremessou contra Doria

A Câmara Municipal de Salvador identificou três manifestantes que teriam atirado ovos no prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), na noite desta segunda-feira (7) em Salvador.
 
O prefeito paulistano foi à Bahia receber um título de cidadão soteropolitano, mas foi recebido com protestos, vaias e atingido por ovos na Praça Municipal.
 
Os três manifestantes estãoproibidos de entrar no prédio da Câmara de Salvador até o final deste ano. O ato com a punição será publicado no Diário Oficial nesta quarta-feira (9).
 
O produtor cultural Eucimar Freitas, militante do PT e membro do Conselho Municipal de Cultura de Salvador, foi um dos punidos. Ele admite ter arremessado ovos contra o prefeito de São Paulo, mas diz não saber se foi o seu que o atingiu.
 
“Deu até pena do ovo. Era novinho”, disse Freitas à Folha, classificando o protesto como pacífico, legítimo e espontâneo –ele diz que não houve participação de vereadores organização da manifestação.
 
O manifestante ainda criticou a punição imposta pelo Legislativo municipal. Diz que os ovos foram arremessados contra Doria e que não houve dano ao patrimônio da Câmara.
 
“Doria agora é patrimônio de Salvador? Pelo que sei, além de maltratar moradores de rua e acabar com a arte em grafite de São Paulo, ele não tem nenhum serviço prestado à nossa cidade”, afirma Freitas.
 
Os outros dois manifestantes punidos pela Câmara de Salvador são Eudes Oliveira e Jhones Bastos. O primeiro é filiado ao PSOL e é membro do grupo Atitude Quilombola. O segundo é filiado ao PT e faz parte do movimento dos sem-teto.
 
Eudes Oliveira afirma ter participado do protesto, mas nega que tenha arremessado ovos em Doria: “Vão ter que provar”. A reportagem não conseguiu contato com Jhones Bastos.
 
O presidente da Câmara Municipal de Salvador, vereador Léo Prates (DEM), afirma que os manifestantes que jogaram os ovos foram identificados por meio de imagens das câmeras de segurança.
 
“A manifestação é natural e legítima, mas algumas pessoas cometeram excessos. Resolvemos puni-las porque colocaram em risco a segurança dos vereadores e das outras pessoas que ali estavam”, afirmou.
 
TROCA DE ACUSAÇÕES
 
Os protestos contra João Doria acirraram o clima de disputa entre o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), e o governador da Bahia, Rui Costa (PT). Ambos deverão ser adversários na disputa pelo governo baiano no próximo ano.
 
O prefeito acusou o governador de ser o “patrocinador” dos protestos contra Doria: “[O protesto] é fruto do desespero, de quem está vendo o poder se esvair. Esse tipo de coisa vai ser dada a resposta ano que vem nas eleições”, afirmou.
 
Nesta terça-feira (8), o governador negou que estivesse por trás dos protestos contra Doria.
 
“Isso é coisa da idade, da inexperiência e um certo desespero de quem está tentando tirar o direito previdenciário da população, de quem está tentando tirar os direitos trabalhistas e está percebendo que o povo não está aceitando”, disse em entrevista à imprensa.
 
O petista ainda classificou a homenagem como um ato de campanha eleitoral de Doria e ACM Neto. E disse que ambos deveriam “estar trabalhando e cuidando das suas cidades”.
 
“Talvez, para quem não tenha muito para fazer, a prioridade seja fazer campanha eleitoral”, afirmou Costa.
 
DANÇANDO AXÉ
 
Depois de participar da sessão solene na Câmara, Doria foi jantar com empresários e aliados do prefeito ACM Neto em um restaurante em Salvador. Lá, dançou passos de axé durante um apresentação da cantora Gilmelândia, ex-Banda Beijo.
 
O prefeito paulistano deverá voltar à Bahia nos próximos meses para receber um título de cidadão baiano. A proposta é do deputado estadual Adolfo Viana (PSDB) e já foi aprovada pela Assembleia Legislativa. 
Bocão News

Deixar uma Resposta

Não serão autorizados comentários com palavras de teor ofensivo, como xingamentos, palavrões e sobretudo ofensas pessoais.