Democratas se dividem entre Bolsonaro e Ciro

 

O ex-governador e presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) mantém conversas com o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM), em uma tentativa de reaproximação dos tucanos com os partidos do Centrão. Alckmin quer evitar que os democratas coliguem com o presidenciável de centro-esquerda Ciro Gomes (PDT), que se articula para unir toda a esquerda e o centro ao redor dele para frear o avanço de Jair Bolsonaro (PSL). No DEM baiano, ainda há muita incerteza sobre o assunto. A legenda do prefeito ACM Neto segue coligada com os tucanos na pré-candidatura de José Ronaldo. Se os democratas fecharem nacionalmente com Ciro, por exemplo, o ex-prefeito de Feira de Santana pode ficar numa situação complicada. O presidente do DEM na Bahia, José Carlos Aleluia, diz que o partido ainda não tomou nenhuma decisão sobre o assunto e que mantém a candidatura de Maia. “Eu não posso falar pelo DEM baiano porque esse assunto nunca foi discutido no DEM baiano. Existem pessoas que estão pensando de uma forma e outras, de outras formas. Tanto que ainda não há uma posição nem do DEM baiano e nem do DEM nacional”, afirma à Tribuna.

O deputado federal, no entanto, deixa claro que mantém uma relação próxima com o presidenciável tucano. “Nós temos um candidato, que é Rodrigo Maia. Ele é que está coordenando essas coisas. Meu candidato continua sendo Rodrigo Maia. Não estou examinando outros nomes, embora eu seja muito amigo de alguns candidatos. Sou muito amigo de Geraldo [Alckmin]. Temos muitas afinidades”, continua. “Nós só vamos discutir outras alternativas se e quando Rodrigo Maia decidir disputar, mas acho que seria até deselegante discutir com A, B ou C na medida que tenho Maia como candidato”, completa.

Indagado sobre a possibilidade de os democratas coligarem com o pré-candidato pedetista, Aleluia voltou a refutar a possibilidade. “Isso é especulação. A executiva do partido nunca tratou disso. Alguns do DEM gostam de Bolsonaro, outros gostam de Ciro. Mas eu gosto de Rodrigo [Maia]”, dispara. Ontem, Maia afirmou ser  “claro” que Ciro não é a primeira opção de aliança dos partidos do chamado Centrão na disputa presidencial das eleições de 2018. Mas o parlamentar ponderou que não se pode restringir o diálogo. “(Ciro) é a maior probabilidade para o DEM? Claro que não é. Mas, se criamos esse ambiente chamado centro, que nunca existiu, se alguém restringe esse diálogo com A, B ou C, não é mais centro”, analisa.

Tribuna da Bahia

Os comentários estão fechados.