Daniel Almeida é eleito coordenador da bancada baiana

 

Em disputa com José Rocha (PR), Daniel Almeida (PCdoB) foi eleito e empossado, ontem, o novo coordenador da bancada da Bahia na Câmara dos Deputados. O comunista substitui o deputado federal Félix Mendonça Júnior (PDT). Almeida recebeu 20 votos, já o republicano teve 15. Quatro parlamentares não participaram da eleição interna.

Filho do vice-governador da Bahia, João Leão (PP), o deputado federal Cacá Leão (PP) decidiu não disputar. O nome dele foi especulado, mas o progressista não quis entrar na briga interna. À Tribuna, Daniel afirmou que o desafio agora é lutar pelos interesses do estado. “É disputar os recursos do governo federal na dimensão que a Bahia merece. É buscar uma boa sintonia com o governo do estado e interlocução com o governo federal para que a Bahia não sofra nenhum tipo de prejuízo nesta relação política. As diferenças políticas não podem ser obstáculos para uma boa relação institucional”, declarou. “Só tenho que agradecer a cada deputado da Bahia que me honrou com essa recondução por mais um ano, já fui coordenador em outra oportunidade, e reafirmo meu compromisso com a Bahia defendendo que o estado seja respeitado e valorizado. Atuar também na boa relação com o governo do estado como condutor das políticas públicas e bater forte na porta do governo federal para manter aquilo que é direito do estado e buscando sempre unificar a bancada da Bahia em torno dos grandes temas de interesses”, acrescentou.

O deputado vencedor diz não enxergar nenhum problema no fato de ser oposição ao governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).  “Não, de jeito nenhum. A bancada é suprapartidária. Não se vincula ideologicamente ao governo estadual nem federal. O coordenador deve enxergar toda a composição. Representamos todos os 38 parlamentares”, pontuou.

Daniel Almeida confirmou que o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM), tem a intenção de se reunir com os coordenadores das bancadas estaduais. “Se for chamado para tratar de assunto dos interesse da Bahia, não tem nenhuma dificuldade”, salientou. O comunista salientou, porém, que não vai tratar da divisão dos cargos federais. “Não cabe à bancada a indicação de cargos federais. Isso tem que ser feito pela bancada partidária que apoia o governo federal”, emendou.

Almeida negou que a bancada tenha saído dividida após a disputa entre ele e José Rocha. “De jeito nenhum. Longe disto. É um processo democrático. Até na família quando a gente escolhe a pizzaria, a gente faz votação para escolher. Imagina. José Rocha é parceiro e amigo. Estaremos juntos dele e ele estará conosco”, assegurou o comunista. 

A avaliação entre os deputados federais baianos é que o “perfil governista” de José Rocha pode ter prejudicado o parlamentar na disputa pela coordenação da bancada da Bahia. Os parlamentares resistiam ao nome do republicano por ser aliado do presidente Bolsonaro e do governador Rui Costa (PT), apesar de o capitão reformado e de o petista serem adversários no campo político. Além disso, os deputados desconfiavam de Zé Rocha por nas negociações “sempre” fazer pleitos para ele, e não para toda a bancada. Daniel foi vereador de Salvador por quatro mandatos, entre 1989 e 2002, e em 2003, ele ingressou na Câmara Federal.

 

 

 

 

 

Tribuna da Bahia

Os comentários estão fechados.