Comandante da PM nega paralisação de policiais militares baianos

 

 

O comandante-geral da Polícia Militar da Bahia (PM-BA), coronel Anselmo Brandão, negou que a categoria tenha deflagrado greve nesta terça-feira (8). Ele explicou que a tropa não obedeceu a declaração do coordenador-geral da Associação dos Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra/Bahia), o deputado estadual Soldado Prisco.

“Não tem greve. Há muito tempo ele tem feito essa bandeira política. Colocou hoje 300 pessoas dentro da Adelba e colocou vários para tentar greve. A tropa hoje não recepciona mais esse tipo de pessoa. A sociedade baiana precisa se tranquilizar, vamos continuar operando. A tropa confia em seu comandante. Todos unidos”, disse à Rádio Metrópole.

Ao Metro1, o parlamentar disse que 10 mil pessoas participaram da assembleia realizada na tarde desta terça-feira (8), no clube Adelba, em Patamares, na capital baiana. “Falta de diálogo da parte do governo. Já temos seis anos sem negociação. Já começou há meia hora e é por tempo indeterminado. Cerca de 10 mil miliares aprovaram”, afirmou para reportagem.

O Governo do Estado, por meio de nota enviada pela Secretaria da Comunicação, reforçou que a Polícia Militar não está em greve. “O Comando-Geral da Polícia Militar afirma que recebeu a informação de uma greve decretada por um deputado estadual. Trata-se de um movimento político sem a adesão da PM. A Polícia Militar informa que o movimento político tem a intenção de criar clima de insegurança. Isso não será permitido”, diz trecho da nota.

Ainda de acordo com o comunicado, a Polícia Militar da Bahia “garante o policiamento ostensivo em todo o estado e tranquiliza a população, que deve manter sua rotina normalmente. Reforça que o responsável pelas operações nas ruas é o Quartel do Comando-Geral, que está pronto para atender a todas as demandas da sociedade”.  Adianta ainda que, os policiais que não atenderem suas escalas responderão conforme Legislação Militar.

Metro1

Os comentários estão fechados.