Brasil tem 3 supercomputadores entre os mais poderosos do mundo

 

 

 

De acordo com a recém divulgada lista dos 500 supercomputadores mais potentes do mundo, três deles são brasileiros. São eles o Santos Dumont, o Fênix e o Ogbon. Esses são os maiores supercomputadores do país e também da América Latina.

Um supercomputador nada mais é que uma máquina com poder de processamento milhares de vezes superior à de um PC comum. Eles são utilizados para processar dados envolvendo vários projetos ao mesmo tempo, além de executar tarefas extremamente pesadas, que poderiam levar muito tempo para fornecer resultados satisfatórios, se fossem executadas por computadores sem essa capacidade. Geralmente, eles são empregados para pesquisas científicas em múltiplas áreas e com grandes volumes de dados.

 

 

O supercomputador Santos Dumont.

Santos Dumont, Fênix e Ogbon

O Santos Dumont é o maior supercomputador brasileiro. Na lista dos top 500, ele se encontra na posição 193. O SD está instalado em Petrópolis (RJ), e tinha a capacidade de processamento total de 1,1 petaflops quando entrou em operação, em 2015.

Agora, ele recebeu uma atualização, recebendo mais quatro petaflops, e passando a processar 5,1 quatrilhões de operações por segundo. Pertencente ao Laboratório Nacional de Computação Científica, ele é mantido, em parte, pelo Consórcio Libra, liderado pela Petrobras. O SD está envolvido em cerca de 150 projetos de pesquisas, incluindo petróleo e gás, os vírus da ZIKA e dengue e no desenvolvimento de drogas para conter o HIV.

O Fênix é nosso segundo supercomputador. No top 500 mundial, ele fica na 195ª posição. Ele é utilizado pela Petrobras para desenvolvimento, aplicação de algoritmos e processamento de dados geofísicos. A máquina está localizada em umas das instalações da companhia, em Vargem Grande (RJ), e é responsável por diminuir em até quatro vezes o tempo de processamento de dados geofísicos, como a identificação de áreas com acúmulo de petróleo.

O Ogbon, nosso terceiro supercomputador, está na posição 347 do top 500 mundial. Financiado pela Petrobras, ele está instalado no Centro de Supercomputação do Senai Cimatec, em Salvador (BA). A máquina é utilizada na pesquisa aplicada de geologia, geofísica, engenharia de reservatórios e outros setores ligados à exploração de óleo e gás.

Os três supercomputadores brasileiros foram produzidos pela Atos, líder mundial em transformação digital.

TecMundo

Os comentários estão fechados.