Brasil encerra Jogos Pan-Americanos no segundo lugar geral

 

 

O Brasil encerrou a participação nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019 no último domingo (11) e bateu o recorde de medalhas na competição ao ficar no segundo lugar geral. Ao todo, foram conquistadas 171 medalhas, das quais 55 de ouro, 45 de prata e 71 de bronze. O time brasileiro ficou atrás apenas dos Estados Unidos, que teve 120 ouros, 88 pratas e 85 bronzes (293 medalhas).

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) não tinha colocado uma meta em número de medalhas ou de pódios, nem posição no quadro. Para a entidade que comanda o esporte no país, era fundamental ampliar a conquista de vagas olímpicas e a melhora do desempenho da maioria dos esporte com relação a Toronto 2015.

O país garantiu, pelo Pan, um lugar na Olimpíada no handebol, hipismo, tiro com arco, tênis de mesa, tênis, pentatlo e vela, mas acabou sucumbindo no handebol masculino e no tiro esportivo.

No geral, 11 modalidades fizeram a melhor campanha da história: badminton, canoagem slalom, ciclismo BMX, ciclismo mountain bike, ginástica artística, hipismo saltos, águas abertas, natação, taekwondo, triatlo e vela. Outras sete não tiveram o melhor desempenho de todos os tempos, mas foram melhores que em Toronto 2015: atletismo, boxe, ciclismo estrada, esqui aquático, remo, tênis, tiro com arco.

 

 

Atletismo

Darlan Romani na final do arremesso de peso do atletismo do Pan de Lima 2019 — Foto: Washington Alves/COB

Darlan Romani na final do arremesso de peso do atletismo do Pan de Lima 2019

 

 

Depois de uma campanha ruim em Toronto 2015, o atletismo brasileiro fez a festa em Lima com seis medalhas de ouro e um total de 15 medalhas. Além do pódio, importante lembrar o quão as marcas foram boas. Darlan Romani, no arremesso do peso, sobrou e conquistou o ouro com 22,07m. Andressa Morais foi prata no lançamento do disco com 65,58m. Essas marcas que lhes dariam medalhas olímpicas. Alison dos Santos levou os 400m com barreiras com um tempo que lhe daria prata no último Mundial. Os revezamentos 4x100m do Brasil ganharam nos dois naipes até com uma certa tranquilidade.

 

 

Ginástica artística

Chico Barretto, Flavia Saraiva, Caio Souza e Arthur Nory posam com as medalhas que conquistaram nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019 — Foto: Christian Dawes/COB

Chico Barretto, Flavia Saraiva, Caio Souza e Arthur Nory posam com as medalhas que conquistaram nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019

 

 

A ginástica brasileira saiu do Pan de Lima com quatro medalhas de ouro, quatro de prata e três de bronze, no melhor resultado da história. Comparando com os Jogos de 2015, a melhora foi clara: no Canadá, apenas um ouro, uma prata e três bronzes. Francisco Barreto foi destaque, levou três ouros – cavalo com alças, por equipes e barra fixa- esse último com (14,566) uma nota digna de medalhista olímpico.

 

 

Hipismo

Marlon Zanotelli - Hipismo — Foto: Alexandre Castello Branco/COB

Marlon Zanotelli – Hipismo

 

Esporte que não teve grandes resultados em 2017 e 2018, o hipismo saltos foi ouro por equipes e individual no Pan de Lima. Os Estados Unidos tinham uma medalhista olímpica no time, enquanto o Canadá estava completo em busca da vaga olímpica. Vale lembrar que, no individual, Marlon Zanotelli foi campeão, se tornando o primeiro brasileiro a levar o título na história do Pan. A próxima grande competição é a final da Copa das Nações, em outubro.

A registrar-se também o desempenho no hipismo CCE e no adestramento, com vaga olímpica em ambos os casos.

 

 

Taekwondo

Milena Titoneli ouro taekwondo Pan de Lima — Foto: Abelardo Mendes Jr/ rededoesporte.gov.br

Milena Titoneli ouro taekwondo Pan de Lima

 

Outro esporte que fez, de forma disparada, a melhor campanha da história. Foram sete medalhas em oito possíveis, com dois ouros, duas pratas e três bronzes, contra apenas dois bronzes conquistados há quatro anos. Destaque para Milena Titoneli, ouro com direito a vitória na final sobre uma medalhista olímpica. No Mundial deste ano, a seleção conquistou cinco medalhas, o que empolga pensando para Tóquio 2020.

 

 

Vela

Martine e Kahena ouro vela Pan de Lima — Foto: Jonne Roriz/COB

Martine e Kahena ouro vela Pan de Lima

 

Com cinco medalhas de ouro, a modalidade igualou o melhor desempenho da história, que era de Guadalajara 2011. Destaque para Martine Grael e Kahena Kunze, que levaram o ouro na 49erFX, mais uma medalha para o vasto currículo da dupla. Patrícia Freitas chegou ao tricampeonato, enquanto Marco Grael e Gabriel Borges, com o ouro na 49er, garantindo a vaga em Tóquio 2020.

 

 

Natação

Natação brasileira obteve o melhor resultado da história em Jogos Pan-Americanos — Foto: Wander Roberto/COB

Natação brasileira obteve o melhor resultado da história em Jogos Pan-Americanos

 

 

Pelo quarto Pan consecutivo, a natação é o grande carro chefe do Brasil nas medalhas. Desde Rio 2007, são dez ouros em cada edição, o mesmo número conquistado em Lima 2019. Os tempos dos nadadores não foram tão bons, a maioria do time saiu do Mundial da Coreia dez dias antes do início do Pan, mas houve vitórias importantes, como nos 50m livre com Bruno Fratus, 100m livre com Marcelo Chierighini e 100m peito, com João Gomes, sempre batendo campeões olímpicos.

 

 

Judô

Mayra Aguiar, ouro no judô no Pan de Lima — Foto: Wander Roberto/COB

Mayra Aguiar, ouro no judô no Pan de Lima

 

 

 

O judô manteve a tradição de ser um dos principais colaboradores para o quadro de medalhas do Brasil, conquistou cinco medalhas de ouro, com destaques para Mayra Aguiar e Rafaela Silva. Mas o número de pódios caiu de 13 para dez, o que é um número significativo. É importante lembrar que alguns dos principais atletas do país, como Rafael Silva e Maria Suelen, não estiveram no Pan.

 

 

Tênis de mesa

Hugo Calderano é ouro no tênis de mesa no Pan de Lima — Foto: Abelardo Mendes Jr/rededoesporte.gov.br

Hugo Calderano é ouro no tênis de mesa no Pan de Lima

 

 

 

Hugo Calderano, como de costume, deu um show, ganhou o ouro individual e nas duplas, e não perdeu nenhum jogo do torneio por equipes. Mas o time acabou derrotado pelos Estados Unidos e ficou com o bronze, em um resultado que fica uma pontinha de decepção. O feminino ficou muito perto do ouro inédito, mas terminou com a prata por equipes após perder uma série de match points.

 

 

Canoagem

Isaquias Queiroz ouro canoagem Jogos Pan-Americanos — Foto: Gabriel Fricke

Isaquias Queiroz ouro canoagem Jogos Pan-Americanos

 

 

Apesar da medalha de ouro conquistada por Isaquias Queiroz no C1 1000m, a canoagem velocidade do Brasil não teve um grande desempenho em Lima. Das oito medalhas conquistas nos Jogos de 2015, apenas três foram alcançadas em Lima. Além disso, Isaquias Queiroz e Erlon Souza sequer terminaram a prova de duplas. A expectativa agora é ver o resultado dos brasileiros no Campeonato Mundial na Hungria, em agosto.

 

 

Handebol

Brasil, Handebol, Jogos Pan-Americanos Lima 2019 — Foto: Flávio Florido / Lima 2019

Brasil, Handebol, Jogos Pan-Americanos Lima 2019

 

 

O hexa da seleção feminina de handebol do Brasil foi incontestável, mas no masculino o time sequer conseguiu chegar na final. Mesmo após um nono lugar no Mundial deste ano, melhor resultado da história, o país caiu na semifinal para o Chile e viu a vaga olímpica ficar bem complicada. A equipe tinha ganho três dos últimos quatro Pans.

 

 

Tiro esportivo

Júlio Almeida tiro esportivo Jogos Pan-Americanos Lima — Foto: Alexandre Loureiro/COB

Júlio Almeida tiro esportivo Jogos Pan-Americanos Lima

 

Esporte que conquistou uma medalha nos Jogos Olímpicos do Rio, o tiro esportivo não conquistou nenhum ouro no Pan de Lima. Há quatro anos, tinham sido três títulos. Pior que isso, a modalidade segue sem ter conquistado nenhuma vaga olímpica, e as chances estão acabando. Faltam algumas etapas da Copa do Mundo ainda, que valem como pré-olímpico.

 

 

Esgrima

Nathalie Moellhausen é bronze na esgrima no Pan de Lima — Foto: Fabio Grijó

Nathalie Moellhausen é bronze na esgrima no Pan de Lima

 

 

Atual campeã mundial, a brasileira Nahtalie Moelhoussen conquistou a medalha de bronze na espada individual do Pan. Havia a expectativa dela ser ouro e quebrar um jejum de mais de 50 anos sem título brasileiro na modalidade. No número total de medalhas, o país caiu de cinco pódios em 2015 para três em Lima 2019.

Tribuna da Bahia

Os comentários estão fechados.